Bombinhas começa campanha de vacinação

Bombinhas começa campanha de vacinação

Unidades de Súde farão imunização de 8h às 17h

A Prefeitura de Bombinhas, por meio da Secretaria de Saúde e Saneamento, iniciou nesta segunda-feira, dia 6, a Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo. O Dia D será dia 18 de agosto, num sábado. Até o dia 31, todos as pessoas habilitadas podem procurar uma Unidade de Saúde em Bombinhas para se proteger, das 8h às 17h. Segundo a Divisão de Vigilância Epidemiológica, a campanha tem como alvo principal crianças de 1 a 5 anos. É importante levar a carteirinha de vacinação.

Alerta

Nos últimos meses, o  aumento de casos de sarampo confirmados assustou as populações de diversos estados brasileiros. De acordo com o Ministério da Saúde, desde o início do ano até 17 de julho, 677 casos de sarampo foram confirmados em território nacional. A doença, que desde 2014 não era registrada no Brasil foi considerada erradicada nas Américas em 2016 pela Organização Mundial da Saúde (OMS). O sarampo pode matar ou deixar sequelas neurológicas graves, é altamente contagiosa, já que a transmissão ocorre diretamente, de pessoa para pessoa, por meio de tosse, espirros, fala ou respiração.

Sarampo

O sarampo é uma doença infecciosa aguda , de natureza viral e grave. Os sintomas incluem febre alta acima de 38,5°C; erupções na pele; tosse; coriza; conjuntivite; e manchas brancas que aparecem na mucosa bucal, e que antecedem de um a dois dias antes do aparecimento da erupção cutânea. A transmissão do vírus acontece de quatro a seis dias antes e até quatro dias após o aparecimento da erupção cutânea.

O sarampo voltou? 

Sim. De acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), o Brasil vive um surto da doença, concentrado em Roraima e Amazonas, mas há dois casos confirmados no Rio de Janeiro, sete no Rio Grande do Sul, dois no Mato Grosso e um em São Paulo.

Como posso me proteger? 

A maneira mais eficaz de manter a população imune é a vacinação. Por isso, a meta do Ministério da Saúde é imunizar 95% da população de 12 meses a 49 anos.
Outras medidas que podem ser tomadas para evitar a contaminação são: higienizar as mãos sempre antes de tocar olhos, boca e nariz, antes das refeições, e evitar espirrar e tossir nas mãos. A circulação do vírus costuma ser maior em ambientes fechados e aglomerados, que devem ser evitados por quem não recebeu a proteção.

Há mais de uma vacina que protege contra a doença? As duas estão disponíveis na rede pública? 

Sim. Se seguir a rotina do Programa Nacional de Imunizações, crianças de 12 meses a menores de 5 anos de idade recebem uma dose da tríplice viral aos 12 meses e depois outra aos 15 meses de idade da tetra viral. Ambas estão disponíveis gratuitamente nos postos de saúde.

Já as crianças de 5 anos a 9 anos de idade que perderam a oportunidade de serem vacinadas anteriormente acabam recebendo duas doses da vacina tríplice viral, com um intervalo de um a dois meses.

Adultos que não se lembram ou não têm certeza se tiveram sarampo precisam se vacinar? 

Apesar de ser voltada para o público infantil, adultos e adolescentes que não receberam a vacina podem buscar a proteção nos postos de saúde gratuitamente. Para os adolescentes e adultos de até 49 anos há duas recomendações, segundo o Ministério da Saúde: pessoas de 10 a 29 anos devem receber duas doses da tríplice viral, enquanto pessoas de 30 a 49 anos só recebem uma dose da tríplice viral.

Quem tem mais de 50 anos pode tomar a vacina? 

Segundo o Ministério da Saúde, mesmo se a pessoa com mais de 50 anos não tenha certeza se tomou ou não a imunização, não há necessidade de recorrer à proteção.

Quem já se vacinou precisa tomar reforço? 

Não. Segundo o Ministério da Saúde, quem comprovar a vacinação contra o sarampo conforme preconizado para sua faixa etária, não precisa receber a vacina novamente.

E quem já teve sarampo? 

Também não. Indivíduos com história pregressa de sarampo, caxumba e rubéola são considerados imunizados contra as doenças, mas é preciso certeza do diagnóstico. Na dúvida, é melhor buscar a vacinação.

Bebês estão sob risco da doença? 

Bebês de mães que foram vacinadas já nascem com os anticorpos necessários para proteção contra o sarampo, por isso a vacina não é necessária. No entanto, em casos excepcionais de surtos, há indicação de imunizar bebês de 6 meses. No momento, essa medida não é necessária.

Gestantes podem se vacinar? 

Não. A recomendação do Ministério da Saúde é que as grávidas devem esperar para serem vacinadas após o parto.

Para quem está se planejando engravidar, é ideal ter certeza de que está protegida. Nesses casos, um exame de sangue pode dizer se a pessoa já está imune à doença. Se não estiver, a vacina pode ser tomada um mês antes da gravidez.

Topo