Vereadores de Tijucas aumentam impostos municipais

Vereadores de Tijucas aumentam impostos municipais

Os vereadores de Tijucas acabaram de aprovar o aumento do imposto municipal da coleta de lixo. A partir de 2018, todas residências de Tijucas serão obrigadas a pagar R$ 17.88 ao mês pela coleta de lixo. O valor anterior era R$ R$ 11,18 mensal. O aumento também é válido para indústrias e comércios.

Votaram a favor do aumento, os vereadores Juarez Soares, Rudnei de Amorim, Vilsinho da Pisobelo, Claudio Tiago Izidoro, Elizabete Mianes da Silva e Deda Vargas.

Mais de 50% de aumento. Não estamos em um momento de cobrar mais impostos. Sou contra esse aumento“, afirmou o vereador Fernando Fagundes. A decisão ocorreu em segunda votação durante sessão extraordinária na Câmara de Vereadores de Tijucas, em horário atípico deste dia 18 de Dezembro.

“De R$ 11 para R$ 17,00 é uma conta baratíssima, não vai atrapalhar a vida de ninguém”, disse a vereadora Deda Vargas, defendendo o aumento do imposto. “Eu voto consciente nesse projeto. Eu vou pagar com gosto esse imposto!“, afirmou o vereador Juarez Soares se referindo ao valor que supostamente será arrecadado.

Mesmo aprovado pela maioria, o aumento do imposto municipal não foi aceito pelos vereadores Odirlei Resini, Fernando Fagundes, Fabiano Morfelle e Esaú Bayer. “Acho que seis reais pode ser pouca coisa pra quem não passa dificuldade. Mas quem passa fome, quem tem criança comendo apenas merenda escolar pra durante todo o dia, é um abuso. Sou contra tirar dinheiro do povo. A Prefeitura precisa cobrar os impostos atrasados e não aumentar assim tudo de uma só vez!“, afirmou o vereador Esaú Bayer.

Após o fim da reunião que aumentou os impostos municipais, fogos de artifício foram deflagrados sobre a Câmara de Vereadores de Tijucas.

Aumento do ISS

Além de aumentar a taxa de lixo municipal, também foi aprovado o aumento do ISS-Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza. Em alguns casos, aumentará de 50% a 100% o ISS fixo por profissional. “Acho que é hora de gerir, economizar, cobrar de quem não paga e não aumentar por aumentar!“, afirmou Fernando Fagundes justificando o voto contra o reajuste.

 

 

Topo